Rodtchenko e o estranhamento

[08.nov.2010]

O Instituto Moreira Salles, do Rio de Janeiro, realiza em parceria com a Pinacoteca do Estado de São Paulo a exposição Aleksandr Rodtchenko – revolução na fotografia. Este texto sintetiza minha apresentação no Seminário realizado na última semana, que reuniu pesquisadores, críticos e curadores para discutir a obra de Rodtchenko.

Pioneer with a Horn, 1930

Rodtchenko, 1930

Aleksandr Rodtchenko (1891–1956) foi o grande protagonista do construtivismo, movimento estético fundado por Vladimir Tátlin, em 1913, que tornou cosmopolita a arte russa, que passa a dialogar com a experiência abstrata européia que Kandisnsky iniciara em 1910. Rodtchenko foi o mais vigoroso artista da Rússia: pintor e desenhista, designer e cenógrafo, fotógrafo e cineasta. De espírito experimental e inovador versátil, seu principal interesse era a valorização da pesquisa visual e dimensional que atribuía movimento e lirismo às formas geométricas.

Para a vanguarda russa e para Rodtchenko em particular, a fotografia era evidentemente muito mais do que um simples meio de documentação, por isso mesmo ela deveria ser responsável não só pela ampliação do uso da imagem fotográfica para provocar e ampliar nossas percepções, como também revolucionar o pensamento visual. A nova realidade do mundo industrial das primeiras décadas do século XX impôs um novo ritmo para as cidades e para o homem das metrópoles, e exigiu uma nova tomada de consciência.

A incomparável criatividade de Rodtchenko deu à fotografia uma nova possibilidade de representação, pois trouxe uma nova lógica interna para a invenção formal. Em 1923, influenciado pelos trabalhos de El Lissitzky, sintonizado com László Moholy-Nagy, e impressionado com os dadaístas alemães, que combinavam algumas formas geométricas com a fotografia, ele inicia sua trajetória com a fotomontagem, pois acreditava que a geometria do Construtivismo encontraria sua necessidade espiritual e filosófica numa arte não representacional.

Rotdchenko admitiu em várias ocasiões que a fotomontagem o levou à fotografia, pois precisava fazer certas imagens para continuar a produção de seus trabalhos como artista gráfico. Seus primeiros trabalhos fotográficos marcam um retorno à abstração, mas seu principal foco de interesse foi sempre a composição. Para ele, a chave da transformação da fotografia e da arte depende do senso de composição e, para isso, baseia-se em esquemas geométricos e aponta as possíveis variantes de sua construção: ângulos insólitos, diagonais ascendentes e descendentes, linhas verticais e horizontais, círculos, bem como suas combinações, como vemos nas fotografias da exposição, em sua grande maioria apresentadas em cópias vintage. As fotografias da exposição pertencem a Moscow House of Photography, à família e coleções particulares.

Pro Eto

Rodtchenko, Capa de Pro Eto, de Maiakovski, 1923

PPP

Rodtchenko, ilustração para Pro Eto, de Maiakovski, 1923

Antes de iniciar seu percurso com a fotografia, ele desenvolveu em 1923 uma série de fotomontagens que ilustram o poema mais conhecido de Maiakovski, Pro Eto (About This), incorporando todas as premissas dos movimentos vanguardistas: o uso das formas elípticas para romper com a linguagem tradicional; a inclusão de marcas das novidades tecnológicas que pudessem capturar a velocidade e a simultaneidade dos acontecimentos da vida moderna; a relação conflituosa entre o sóbrio e o espontâneo; enfim, uma série de contrastes que traçam as evidências em oposição de um mundo em plena transformação. No texto O choque do novo, o crítico Robert Hughes afirma que este projeto representa “a mais eficaz fusão entre a arte e vida pública na vanguarda russa e foi feita por Rodtchenko com seu estilo brilhante e contundente”.

Rodtchenko acreditava que a relação homem e máquina poderia ser frutífera dependendo de como a tecnologia seria utilizada para a criatividade. Para ele, a câmera era o veículo ideal, pois era uma máquina para ver, com poder investigativo, a gramática da luz e da forma. Entendia a relação arte e técnica como uma nova unidade trazida pela modernidade e entendia a possibilidade de reprodução fotomecânica como um instrumento de arte-educação, um exemplo de como a tecnologia poderia atender a algumas das necessidades básicas de difusão do conhecimento.  Para ele, a reprodutibilidade ampliava e democratizava a experiência estética.

artwork_images_451_46841_alexander-rodchenko

Rodtchenko, Moça com uma Leica, 1934

Após os primeiros contatos com a fotografia, seu trabalho ganhou um novo senso de espaço, associado com um novo dinamismo nascido de uma nova sintaxe, caracterizada pelo ritmo do contraste geometrizado de luz e sombra, pelo corte insólito, pelos novos e inusitados ângulos de tomada, e pela força dada à composição diagonalizada. As fotografias de Rodtchenko mantém o frescor e dá relevância à vanguarda. Seu pensamento visual estava contaminado pelo desejo de mudança que movia a construção do mundo socialista. Essa nova possibilidade de expressão fotográfica rompeu com o procedimento tradicional e desarticulou os automatismos de visão, despertando o observador da mesmice visual em que estava submerso há décadas pela imposição convencional da fotografia e das artes visuais.

Rodtchenko descobre na fotografia outra possibilidade entre o realismo e a abstração. Podemos verificar que as diferentes posições assumidas pela câmera é parte integrante do novo programa desenvolvido por Rodtchenko para chocar e estranhar o olho receptivo. A partir da obra de Rodtchenko, interessa-me chamar a atenção para o conceito de estranhamento desenvolvido em 1929 pelo formalista russo Victor Chklovski (que juntamente com Roman Jakobson fundou a Escola Formalista Russa da Teoria Literária), que está presente na obra em questão à medida em que a forma apreende a realidade na sua diferença provocando o espectador que, por sua vez, se vê empenhado em buscar uma organização a partir da desconstrução da imagem fotográfica. Rodtchenko incorporou ao seu trabalho as teorias dos formalistas russos, particularmente Chklovski cujo conceito de estranhamento lhe servia de base para uma virada radical na prática fotográfica habitual.

Chklovski assume que uma das funções da Arte é desautomatizar o modo de ver o mundo, restituindo às coisas o impacto e a singularidade que despertaram quando foram vistas pela primeira vez. Para ele, a Arte deveria trazer os objetos e as situações com uma sintaxe peculiar, provocando o estranhamento. Estranhar para perturbar. Estranhar para causar incômodos; para abalar as nossas certezas; provocar reflexão; despertar novas sensações visuais. A percepção automatizada do cotidiano daria lugar a uma nova visão das formas, onde a natureza da experiência estética pede um olhar mais atento e prolongado. A fotografia se encaixava perfeitamente no programa criativo dos construtivistas russos.

Para Aaron Scharf, a fotografia, produzida pela máquina, praticada universalmente e compreendida por todos estava em sintonia com os objetivos do novo estado soviético por sua proximidade às aparências aceitáveis e sua adequada aplicação à propaganda visual instituída pelo sistema – cartazes, revistas ilustradas, livros, murais, entre outras. De todas as correntes de vanguarda animadas por idéias transformadoras, o Construtivismo desenvolvido na Rússia, foi o único que se inseriu numa realidade revolucionária concreta, e que colocou explicitamente a função social da arte como uma questão política. Como assinalou Rodtchenko: “eu gostaria de fazer fotografias que nunca fiz antes, de modo que tivessem vida e realidade, que fossem ao mesmo tempo simples e complicadas, surpreendentes e espantosas”.

Um belo catálogo acompanha a exposição que chegará a São Paulo em fevereiro de 2011, na Pinacoteca do Estado.

Tags: ,

Jornalista, curador e crítico de fotografia, doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, professor e diretor da Faculdade de Comunicação da Fundação Armando Alvares Penteado (Facom-FAAP).

12 Respostas

  1. Obrigada, Rubens!
    Não sei como eu ainda não conhecia o trabalho deste maravilhoso artista.
    Parabéns pelo post.
    beijos,
    Taty

  2. Olaaa ! um amigo me mandou esse link e passei um tempinho sentada na frente do meu computador com os olhos um tanto quanto molhados e um nó na garganta.
    Tenho um amo pelo Rodchenko que nao sei explicar. Sou formada em Artes Visuais e meu tcc tem como titulo ” A influencia de Alexander Rodchenko na comunicaçao visual ” . Para mim, conhecer esse maravilhoso artista e suas teorias me tornaram outra pessoa, aprendi tanto com ele que quando sentei hoje para ler no seu blog, fui revivendo todo trajedo do meu estudo e parecia que falava de um amigo proximo. Acho que devo te agradecer por esse post e por esse momento de uma certa nostalgia boa . Vou durmir feliz !!

    Obrigada.

  3. tenho um material fotografico que fiz com influencia dele e até exposiçao ja fiz tambem . Gostaria tanto de ir para o Rio de Janeiro estudar mais sobre ele e poder mostrar meu trabalho. Isso seria um sonho. Porem estou um tanto quanto longe ( Londrina- Parana ) e sem me programar fica tao dificil ir assim neh !

  4. Olá, Rubens, a título de colaboração, há interessante pesquisa de mestrado que vincula a fotografia de Ródtchenko ao conceito de estranhamento de Chklóvski, e dialoga com o que você expõe neste post. A dissertação se encontra na biblioteca da PUC de São Paulo, mas há uma comunicação, espécie de síntese da mesma, que pode ser acessada online, pois foi publicada nos anais do Congresso Intercom de 2002. O título é O PONTO DE VISTA SEMIÓTICO NA FOTOGRAFIA RODCHENKIANA. O pesquisador em questão é Jorge Viana Santos e o link é: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2002/Congresso2002_Anais/index.html. Com um pouco de paciência, chega-se ao texto do Jorge Santos, rolando a barra da página desses anais.
    Pena que tanto essa dissertação quanto a obra de Chklóvski não sejam publicadas na íntegra em nosso país! Um dos textos em que Vítor Chklóvski aborda o conceito de estranhamento, “A arte como procedimento”, foi publicado aqui no Brasil no final dos anos 1970…
    Um abraço.
    Neide

  5. Nice reads I got off some of your posts 🙂 Are you going to keep updating? Cause I will be the first one here to read it 😀

  6. you’ve an awesome weblog right here! would you like to make some invite posts on my blog?

  7. web page marketing and marketing is undoubtedly almost all concerning the quanity of other webpages and posts connecting to your target. with no the benefit of those identical one-way hyperlinks you are useless in the water. I realised it soon soon after finding going with what is devoid of a question in my belief the finest semi-automatic web web page website link building plan

  8. Wow! Thank you! I often desired to write in my website something like that. Can i take component of your
    post to my blog?

  9. Wow! what an thought ! What a idea ! Stunning .. Incredible …

  10. Can I simply say what a relief to find somebody who truly is aware of what theyre talking about on the internet. You definitely know tips on how to deliver an issue to gentle and make it important. Extra folks need to read this and perceive this facet of the story. I cant consider youre not more fashionable since you undoubtedly have the gift.

  11. There are tons of options how to make your hair grow faster. I would prefer to share these tips. For anyone who is really considering how to make your hair grow faster, just seek out in web and you will then find plenty of good recommendations.

  12. Hallo,
    nicht schlecht die Seite!!

    Gruß Axel

Deixe uma resposta para Leticia Padilha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reload Image

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.