Fotógrafos não são normais #1

[28.set.2009]

Joaquin Phoenix e Gwyneth Paltrow, no filme "Amantes", de James Gray.

Joachim Phoenix e Gwyneth Paltrow, no filme “Amantes”, de James Gray.

Nesta semana, encontrei mais um personagem-fotógrafo no cinema, no filme Amantes, de James Gray, com Isabella Rossellini, Gwyneth Paltrow e Joachim Phoenix (é o filme que ele foi divulgar no David Latterman, barbudo e quase catatônico). É a história de um jovem com tendências suicidas, dividido entre uma boa moça e a mulher que ama, entre os negócios da família, o ócio e a fotografia. É bom, vale a pena ver.

A fotografia é só um detalhe no filme, mas lembrei de uma pergunta que fiz recentemente ao Fernando de Tacca (que tem pesquisado obras do cinema e da literatura atravessadas pela fotografia): Por que os fotógrafos dos filmes e dos livros são sempre complexos, enigmáticos, introspectivos, perturbados? Exemplos: o paranóico Martin de A Prova, o atormentado Aleksander de Antes da Chuva, o aventureiro Russell de Sob Fogo Cerrado, o arrogante Thomas de Blow-up (personagem que, apesar de todos os fracassos morais e afetivos, levou muita gente a querer ser fotógrafo).

Ao que parece, a fotografia é um ingrediente que ajuda a dar profundidade aos personagens. Faz algum sentido: é uma atividade solitária, fonte de experiências (fotógrafo sempre tem histórias pra contar), que sempre se dá no embate entre a pulsão das emoções e a responsabilidade da comunicação.

Mas a questão que mais me intriga: por que fotógrafos são incompetentes – no mínimo, complicadíssimos – para os relacionamentos amorosos. Quem souber, responda!

Quem quiser ver o texto de Fernando de Tacca, está publicado na revista eletrônica Studium, sob o título “Fotografia e Cinema: Intertextualidades“. Em breve, ele deve publicar uma nova pesquisa sobre Fotografia e Literatura, que já foi mostrado no último Intercom.

Quanto aos filmes, vários deles nunca foram lançados em DVD. Garimpando, dá pra achar em VHS, ou no submundo das redes.

Tags: , , , , , , , ,

jornalista, pesquisador, doutor em Artes pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), professor e coordenador de Pós-Graduação da Faculdade de Comunicação da Fundação Armando Alvares Penteado (Facom-FAAP).

6 Respostas

  1. Puxa nem me fale, e as mulheres fotografas e suicidas?Francesca Woodman, Diane Arbus, Nan Goldin, (semi suicída), ana mendieta que usava muito sua imagem também…são os nomes que me vem agora…

    ah, teve um personagem também de novela, faz um tempinho, que tinha este esteriótipo de pessoa perturbada e profunda e agoniada com estígma de poeta, e era fotógrafo…lembra? ele fazia parzinho com a fotógrafa super bem sucedida de casamentos que esperou anos o cara resolver suas crises para ficar com ela; ficava ela e o seu velho cachorro pensando no romantico personagem do fotógrafo….nada como uma novela para constatar o imaginário popular.
    O pior é que eu olhava para este personagem de folhetim e pensava am tantos fotógrafos, um pouco imaturos ainda, que assumiam o mesmo discurso. Tinha até um nome para estas pessoas: era a APA, Alegóricos Poetas Anônimos..

    Mas enfim, eu gostei mesmo foi de escutar o Witkin falar. Um cara que fala com simplicidade, racionalidade de um processo de trabalho que pode parecer estranho e poderia levar muita gente a loucura, frases do tipo: ” bom, aí me ligaram do hospital avisando que tinha um corpo sem cabeça para fotografar”. Vai lá e faz aquele puta trabalho…., com ajuda da mulher ainda… E isso também adorei, dele ter protagonizado no seu discurso o papel que tem sua mulher na vida e trabalho. Foi um grande aprendizado escutar o Witkin falar. Nada como a boa e verdadeira fonte.

  2. Já que você perguntou, vou palpitar Ronaldo.
    Acho que somos incompetentes (me incluo perfeitamente nesse adjetivo) porque somos ótimos observadores da vida dos outros e pouco cuidadosos em perceber o nosso próprio entorno…
    Daí é um passo para o buraco.
    E com a idade vamos agregando a tudo isso um grave problema de miopia social e os buracos mais evidentes são aqueles nos quais caimos com mais facilidade. 🙂

  3. You can certainly see your enthusiasm in the paintings you write. The world hopes for even more passionate writers like you who are not afraid to mention how they believe. At all times follow your heart.

  4. Hey not to set off topic but can anyone give me overview of. New York Car Insurance Reform 295 Greenwich St, New York, NY 10007 (646) 351-0824 They are down the block with me. I was wondering if they were a good insurance company. I need to get hold of coverage, it is the law you know, but I need to have a good price price plus I’d prefer friendly service.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reload Image

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.