Tema: História > Anônimos

Fotografia e metalinguagem

Rubens Fernandes Junior | 23.out.2013

Tenho muita curiosidade pelas fotografias que remetem à própria fotografia. Dedico uma atenção especial a essas imagens que coleto aleatoriamente em sebos e outros espaços e que reúnem dados que alguém julgou sem importância. Mas sempre busco questionar a fotografia que fala dela mesmo. Quais critérios estabelecer para buscar na imagem alguma “centelha do acaso” que remeta à própria fotografia? Os limites que demarcam essas possibilidades geralmente são nebulosos e quase sempre subjetivos. Mesmo assim, venho colecionando fotografias que de alguma forma “falam” da própria fotografia. Em seu importante estudoLeia Mais

Ver é inquietar-se

Rubens Fernandes Junior | 23.set.2013

Num momento em que a visibilidade e a transparência da comunicação determinam o quanto somos reconhecidos nos diferentes grupos em que atuamos, não deixa de ser interessante pensar no velho cartão postal como uma mídia aberta, com imagem e texto, que circulou livremente durante décadas mundo afora. Hoje, foi substituído pelos aplicativos tipo Instagram, WhatsApp, entre outros, locais de livre e imediata circulação de imagens e textos. Sou colecionador de cartões postais e, de tempos em tempos, eu me surpreendo com mensagens inscritas no verso dos cartões, que operam comoLeia Mais

Referências cruzadas – outras luzes

Rubens Fernandes Junior | 2.abr.2013

Inúmeras vezes declarei meu desejo de publicar uma história da fotografia a partir de imagens que venho colecionando há anos. Minha impressão é de que centenas (ou seriam milhares?) de fotografias vagam dispersas pelo mundo do acaso e clamam para serem reunidas de outra maneira, a fim de nos oferecer um outro olhar sobre o documento fotográfico. Como pesquisador atento, vibro com cada imagem que salta expressiva de um álbum familiar ou até mesmo de um conjunto aleatório reunido numa velha caixa de sapatos. Acredito que os arquivos institucionalizados sãoLeia Mais

Colecionador de Olhares Desaparecidos [parte 3]

Rubens Fernandes Junior | 26.nov.2012

Recentemente, fiz uma incursão pela minha coleção de retratos anônimos feitos por fotógrafos desconhecidos, e que venho denominando de “olhares desaparecidos dos desconhecidos íntimos”. É sempre uma grata surpresa rever estas fotografias, sentir a naturalidade do fotografado diante do dispositivo e se deparar não só com uma harmoniosa relação de luz e sombra, mas também com uma desavergonhada e teatralizada emoção.Leia Mais

Colecionador de Olhares Desaparecidos [parte 2]

Rubens Fernandes Junior | 10.jun.2012

Há cerca de dois anos, aproximadamente, tive acesso a um lote de fotografias de índios brasileiros. Apesar de interessante do ponto de vista antropológico e documental, resolvi não adquiri-lo dada a sua complexidade temática e técnica. Explico: tratava-se de um conjunto de imagens (positivos e negativos) de temática indígena que trazia habitantes da região central do país, e que ainda deveria ser pesquisado, higienizado, devidamente copiado, catalogado e problematizado. Além disso, distanciava-se do foco que tento manter no conjunto que venho colecionando nestes mais de 30 anos ininterruptos de andançasLeia Mais

Fotografias deserdadas II – Vivian Maier

Rubens Fernandes Junior | 19.set.2011

Quem me conhece sabe que tenho apreço especial pela fotografia que por algum motivo não ganhou visibilidade pública. Algumas vezes, nem privada, através dos álbuns ou das caixas de sapato. E é essa exatamente a história recém descoberta da norte-americana Vivian Maier (1926 – 2009). De mãe francesa e pai austríaco, ela trabalhou como babá por mais de quarenta anos, mas sempre fotografou – no começo com uma Kodak Brownie e, a partir de 1952, com uma Rolleiflex, quando sua produção teve uma radical transformação.Leia Mais

Fotografias Deserdadas I

Rubens Fernandes Junior | 25.jul.2011

Entre o homem comum e a história há um abismo, muitas vezes inacessível, incontornável. Sim, isso particularmente me fascina, principalmente quando estou diante das fotografias que venho adquirindo e colecionando há mais de trinta anos. E é exatamente esses retratos – perdidos, esquecidos, abandonados, jogados na lata do lixo da história e deslocados do seu universo de intimidade – que pretendo discutir um pouco neste primeiro texto. Como será que podemos reintegrá-los dignamente à cultura e à cronologia da fotografia?Leia Mais
D. Rosa, arquivo pessoal.
Fiquei pensando muito no que leva alguém a rasgar fotografias, como aconteceu com as imagens que Rubens Fernandes encontrou e acolheu em sua coleção (quem chegou agora, tem que ler o post anterior). Uma maneira de responder seria pensar às avessas o que leva alguém a produzir imagens. Arbitrariamente, pensei em três possibilidades ligadas ao que poderíamos chamar de “pensamento mágico”, “pensamento simbólico” e “pensamento burocrático”. Em cada um deles, e sucessivamente, existe um nível menor de vinculo entre a representação e o mundo, portanto, também um nível menor deLeia Mais

Colecionador de Olhares Desaparecidos [parte 1]

Rubens Fernandes Junior | 5.abr.2011

Em 2009, passeando pela Feira do Bixiga, em São Paulo, num domingo qualquer, me deparei com um estranho amontoado de fragmentos fotográficos. Simplesmente uma coleção de recortes fotográficos, ou melhor, dezenas de fotografias rasgadas aos pedaços. Sim, quem resolveu jogar fora as fotografias também decidiu rasgá-las como meio de tentar fazer desaparecer suas imagens do passado.Leia Mais