POEMAS: seleção
home artigos números poemas música fotografias conversas



[voltar]

sssssssss
quero conter o choro
duro como um punhal
Convexo conexo anexo
Pura fatalidade
Estrela. Existirás?
Sonhei que voce ia
nada, quase tudo,...
Queria saber chegar
Borboleta que pousa
Azul alfineta o vão
Ah, não - não
Entre a casa e a rua
o tempo se apressa
doces delírios
navegar sem destino
o sentido é um sei
Um, dois ... até dez
cada caso um acaso!
Não há como retornar
reverso feito viés
Ao entrar, sorria
Patético, este poema
se houver desejo
o homem, a mulher...
talvez seja hoje
tenso,penso, e agora
você está em mim
Strangers walk in
te vejo assim:
Eterna insatisfação!
Ahhhhhh....
hoje estou aqui sim
Suporte? Suporte! Me
Meu amor estandarte
morreu carbonizado
folhas de outono
inspiração no agora
E nunca mais
envelheceu a folha
Diga quando e onde
Sorteando meu futuro
um mucadinho de voce
Era apenas miragem
o tédio é de ser só
Meu desabafo:
palavras, o que são?
A vida vai levando
sem querer encontrei
bolha de segredos
Deus mentia
no caso não é acaso
lambe e abala a fala
Vaga como vaga onda
rima o arrimo
Caímos no Silêncio
dúvidas eu tenho
doido não doido sim
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Uma cigarra canta
Bebi do teu sangue
Palavras ao léu!
Soluços no silêncio
na teia do tempo
sim, amei e sofri.
Entre as folhas fui
Nua, ainda mais bela
tudo se reune aqui
Acasaasasã acasomora
uma dor que corrói
hoje, ontem e sempre
convêm
olho mas não te vejo
nada é mais simples
Zanzando pela rua
Tá bem, vou dizer:
Uma lagrima sólida
por mim, não por ti
por acaso o caos cara pálida "Por quê?" he mordido su alma
não e fácil resposta
Viva e viva a vida!
Amar é inexplicável!
Câmera lenta, lúcida
Ë uma tarde morna
às vezes preciso ir.
A morte passou perto
Incoerente
tão belo é o simples
lembrança chuvosa
Fim do começo do fim
e dai?
Jogo tudo e recomeço
obscuro desejo vem
Perdoarnãoéaminha.
à qui nada
nada...e é tudo.
flor,aroma e amor
dar e receber e dar
CORRO PARA O NADA
Verdade seja dita
a sala está vazia
sua lúgubre fantasia
Carnavalpoemapopular
Venha ficar um dia
o caso do ocaso
O acalanto profundo,
Sangra com o suspiro
Com a dor constante.
dor...fim...
o dia se fez trevas
Inventar a morte só
Um lance de dados...
poesia acaso astucia
Vento = ar+movimento
enquanto árvore sou
Perambulo pela noite
Deus é perfeito!
incerto, mas fui
Só você...
fly,fly,fly,....
E acaba-se a loucura
Verdade, não sei
se sou não sei sinto
Tem de ser agora
e desesperadamente
sofro com o jeito
viveria e morreria
agristristeza prenha
o tempo tudo muda
poemacaso soma letra
Deus tece a teia
nenhuma certeza
passaram-se dezenas
o novo não é súbito
deus mora no detalhe
nós antípodas em mim
solidão que corrompe
O amor que descobri
seja quente
El desierto mundo.
Palmas: plá plá plá
tudo é luzeiro e pó
E por mais que viva.
Meu parceiro eterno
Meu coração é destro
libere a mente
Olha minhas lágrimas
Origem
cala-se o silêncio
Meu caso com o acaso
Necessidadeadormecer
Façamos silêncio.
Será que se sabe?
coragem de criar
Pensei existir, como
O espírito do tempo
hoje não ligo mas...
solidão
que assim seja
Procuro-me em você
assim tão pedra
Big Crunch-refutado!
amar é
Incompreenção...
dEuS oU aCaSo
às vezes não sei
tgfdcgr
Tô sim or not tu sim
mundo,acaso,big bang
O prazer, estremecer
Gozo convulsivo
VOOlta Utópia
amor
Amor, fazer o quê?
estenda seus braços
A saudade só cresce
o amor sem fim......
Te amodeio
Estou eu aqui a sós,
Arte do desencontro
Omni mutantis
chega de romantismo!
Tudo é tão estranho
Esperma borbulhante
Plaft! (na sua cara)
Amais uns aos outros
arde sal do teu ódio
o acaso não é poesia
eu não sou
Não vai embora
ávida vida!
bateu asas e pousou
a face de uma moeda
Terra oca ou é eco
Cego, surdo e mudo
   

[voltar]

Ronaldo Entler sobre o site